segunda-feira, 30 de outubro de 2017

The fallacy of equality




A recurring theme in the media and in public debates is the promotion of equality. This "egalitarianism", strongly related to "left-wing" ideology, is constantly used as a foundation of studies, actions, and policies in the most varied areas such as economic, racial and gender. At the core of such measures lies the belief that reducing many of the existing inequalities in society will lead us to a better world.

The present article aims to expose a fatal logical flaw present in egalitarian reasoning and then concluding with reflections on the impacts of this flaw on political philosophy.


May the Lord be with you,

Momergil

--------

Introduction
In the most different fields of human knowledge, many ideas and groups of ideas came to be elaborated. In their defenses, arguments are often employed, these being instances of reasoning composed of statements[R1] where one, the conclusion, is desirably supported by the others, the premises, by means of a structure that consists in the way such affirmations are arranged[R2].

Arguments are not always good: they may fail to provide due support for rational belief in their conclusions. Such failure can be the result of problems in the veracity of the premises, in the reasoning's structure, or both at the same time[R2]. In the second case, there is a problem of logical nature and such a mistake is often called "logical fallacy". Thus, an argument is "logically fallacious" if it presents a flaw in its structure that makes it unfeasible as an adequate means of demonstrating the truth of its conclusion[R3].

Recognizing the presence of a structural error in a reasoning or of a new kind of fallacy usually involves the simple use of rational intuition. Normally it is up to the analyzer to recognize, just by contemplating the argument, that it is not logically valid. For that reason, some of the proposals for new types of fallacies consisted of mere mentions of them. Thus it was when C. S. Lewis proposed the Bulverism[R4] and Antony Flew, the "not a true Scotsman"[R5].

In certain cases, however, it is possible to demonstrate that a given line of reasoning is fallacious. An example of the viability of demonstration concerns the various configurations of the so-called non sequitur, the case in which the conclusion simply does not follow logically from the premises when a deductive reasoning is intended[N1]. In this case, it is possible to demonstrate the presence of a non sequitur presenting at least one situation in which the proposed reasoning structure is present without the conclusion being correct.

For example, the fallacy argumentum ad Nazium (or reductio ad Hitlerum) consists in saying that something is bad because Hitler or Nazism defended it[R6]. As the method suggests, this line of reasoning is shown to be false by contemplating at least one good or at least not bad thing Hitler or Nazism advocated, such as being a vegetarian or the progress of a nation. Once it is true that being a vegetarian is not evil or bad and yet the Führer practiced it[R7], it is shown that the mere fact Hitler has defended something does not imply that it is bad. The same goes for the case of the progress of a nation defended by the Nazi vision.

The "appeal to nature" provides another example. This fallacy consists in affirming that something is good or right by the simple fact of being natural, or bad or wrong if it is not natural[R8]. Such reasoning is shown to be logically invalid when it is envisaged, for example, that an industrialized pasta is not bad for human health, even being better for it than feeding on poisonous plants and animals although they are natural.

Examples like those presented above demonstrate the validity of this method for non sequitur recognition. Consequently, and according to what has been discussed previously, once a similar assessment has been made on some argument, the correct action will be to abandon it, thus avoiding a belief with a rationally invalidated justification. This, however, is not the same as and does not imply the need to abandon belief: a structurally invalid argument does not imply its conclusion to be false, but only that it is not an adequate justification for believing in its conclusion. It is possible that an argument fails logically while its conclusion is true and demonstrable by another line of reasoning[N2]. In some cases, however, the death of an argument implies the defeat, even if temporary, of its conclusion. This occurs both with propositions that have their support in a single argument[N3] and with those that are intrinsically related to it. In the latter case, the conclusion is rationally unacceptable because there is no way to be believed without asserting the fallacy.

It is also important to recognize that, sometimes and depending on context, a line of thinking will be plausible despite employing a fallacy. A typical example is the "composition fallacy" when used to determine the color of a surface. This fallacy consists in affirming that a whole has a certain property because [all] its parts have that property[R9]. By employing the above method, it can be shown that this is not the case. For example, all parts of Da Vinci's Mona Lisa painting are misshapen stains while the painting, the whole, is not. On the other hand, it is plausible to conclude that the color of a tile surface will be green if all of its tiles are green. This reasoning seems plausible even though it is a case of the fallacy of composition.

Although cases such as the surface coloring seem to demonstrate a certain "sporadic plausibility" of fallacious reasoning, this does not invalidate or even minimize its impracticality as a support for conclusions. In cases such as the tiles, it will still be necessary to provide some additional information to justify the relationship between the premises and the conclusion to justify the argument. This will come as an additional premise to the reasoning which, in turn, will inevitably result in the emergence of a second, more complex argument than the original one[N4].

A new fallacy
When a line of reasoning is identified and appears with a certain frequency, it is common to be baptized with a name[R3] as was the case of the two examples of fallacies mentioned above. Taking this into consideration as well as the method recently presented to identify non-sequitur cases, I propose that a new, plausibly denominable fallacy "of equality" or "egalitarian" should be recognized.

The line of reasoning contemplated is that according to which "if, in a certain situation, there is equality, then such a situation is good or better than it would have been if there were inequality". What is being affirmed is the existence of some relation of implication between equality and positive qualitative state of moral, aesthetic or any other nature (such as the present in "a good chess move").

Following the proposed method, it can be shown that such a line of reasoning is a non-sequitur form if there is at least one situation in which the implication relation between equality and positive qualitative state is not present - and such cases are abundant.

For the first example, there is the issue of poverty. Faced with a reality of scarce resources, people may come to concentrate more or less of these resources getting more or less rich. Depending on the level one has, an individual may be unable to possess the minimum to meet their basic needs and live a materially pleasant life. As the opposite of this is desirable, one can conclude that the financial state of poverty is undesirable. On the other hand, the more abundant a person is, at least everything else equal, the better it will be for him.

With this in view, one can imagine a hypothetical group of one hundred people where each one will be either poor or rich. In wishing to maximize well-being in line with what has been previously considered, one can conclude that the worst state in which such a group can be is that in which all one hundred individuals are poor, living in suffering. In contrast, the best possible state for this society is one in which all are rich, living in abundance. Consequently, an intermediate state where some have already attained wealth, but others still remain in poverty, will be inferior to full wealth, but better than full poverty.

In this case, there are two possible states of equality (totally poor and totally rich) and one of inequality (only partially rich) being one egalitarian state bad (all poor) and one non-egalitarian state better than an egalitarian one (better some rich than all poor). This, however, is opposed to what declares the fallacy of equality: not only is there an egalitarian state that is not good, but there is one that is inferior to one with inequality. According to the method, therefore, it is thus shown that equality does not imply quality.

A similar case is visible within the scope of justice. In a country with laws and where a portion of the population has suffered criminal offenses, there is the possibility that all of them will be wronged, of all receiving due justice and some receiving justice while others not. To the extent that it is desirable for an individual to receive the reward provided for by law in the face of a crime committed against him, it may be concluded that the worst case scenario is that all are wronged while the best possible situation is that in which all receive their due. Finally, there is still the possibility that some will receive justice while others will not. In this case, there are two egalitarian situations, one of which is not only bad, but the worst of the possibilities, and a situation of inequality that, although not ideal, is better than one with equality. Such an example also shows, therefore, that the mere fact of equality does not mean that something is good or better than it would be if there were inequality, thus proving that the inference in question is logically invalid.

Conclusion
Based on the use of the proposed method for the detection of non-sequitur variants applied to the presented cases, it is concluded that inferring positive qualitative state from equality is logically invalid. The same, of course, proceeds with the inverse reasoning, inferring negativity from inequality.

Although the presented examples demonstrate the fallacy of equality in accordance with the proposed method, it may be tempting to insist on affirming a connection between egalitarianism and a positive qualitative state in face of all the best situations being egalitarian ones. This relation, however, is nothing more than a coincidence, for what makes such states desirable is not their equality, but the abundant presence of what makes them good (be it wealth, justice, or something else). Its positive character, then, is not the merit of equality.



Comments
The recognition of the egalitarian fallacy brings relevant implications for the intellectual sphere. This is because its line of reasoning is commonly employed in works and theses in various areas as justification for a wide variety of proposals and positions. Being a fallacy, such defenses are deficient and should be rejected. Also as it was seen, the theses or positions that have in the defense of equality their only argument should be rejected until a new, valid justification arises in their defense. Finally, theses that are inescapably connected with the egalitarian fallacy, being impossible to disassociate them from it, should be rejected. A notorious case of this latter implication lies in the ideological current called "left" or "leftism" as the following reasoning demonstrates.

Ideologies, religions, philosophical currents and other forms of "packets of ideas" are characterized by defending one or more propositions. Such propositions are discriminable in "essential" or "fundamental" and "non-essential" or "superfluous". The fundamental ones are those necessary for the veracity and validity of the package; it is necessary that all be true for the group of ideas that propose them to be rationally acceptable. In the other hand, superfluous propositions, although they may be commonly defended, are disposable; its untruth does not imply the invalidity of the respective group of ideas. Consequently, to refute at least one essential proposition implies to forfeit the rational belief and acceptance in the packages that defend it. Yet to refute even all superfluous propositions does not change the status of rational acceptance of such packages.

For example, Christianity defends a set of propositions organized in doctrines. Among these, some are essential such as the affirmation of the existence of God and the affirmation of the salvation of mankind from their sins through faith in Jesus of Nazareth. As fundamental pillars, the veracity of such ideas is necessary for the truthfulness of the religion: if at least one of these statements is false, then necessarily the religion is false even though all others may be true[N5]. The same does not proceed with propositions respective to peripheral doctrines such as biblical inerrancy. While it is common for Christians to defend it, theologians agree that Christianity would be far from proven false if such doctrine were invalidated[R10].

Thus, it is concluded that if a package of ideas presents an essential proposition whose only argument used for its support expresses a fallacy such as the egalitarian one, then this package is rationally unacceptable at least until a new and good argument is presented. It is also concluded that if an essential proposition inescapably asserts a fallacy, then the package of ideas that defend it is rationally unacceptable. One case in which this occurs is leftism.


Although it can be defined in more than one way, leftist ideology is intrinsically connected to the idea of pursuing social equality[R11][R12] in economic, civil, and political terms. The fight for equality is a recurring theme in leftist works, and literature about them constantly unites them by presenting one in terms of the other. Thus, the quest for social equality, represented by the proposition "one must seek/defend/fight for social equality", is an essential constituent of the left.


As for such a proposition, one can ask what is the reason for its truth, why should we seek/defend/fight for social equality. And a likely answer to be given by a defensor would involve obtaining a positive qualitative state, i.e., because somehow "this is/will be good"[N6]. Once that is the only reason for an individual to have that position, being it the fallacy of equality manifested, then he should stop defending it. In other words, an individual should only be a leftist, seeking social equality if he has some rationally valid argument to be one that does not appeal to a positive qualitative state through equality. If this is his only argument, defending leftism will be for him an irrational action.


Now regardless of the reasons that an individual has to defend a political position, such positions are always associated with the search for a better world through the ideas proposed by them. That is, the search for a better world is essential to a political vision and whatever it proposes, it will naturally do so with that purpose. For example, the right-wing view proposes moral and cultural conservatism, as well as the acceptance or even defense of certain inequalities, as means to that end. Liberalism, in turn, proposes to defend the fundamental human rights to life, property, and freedom under the understanding that if humanity lived according to such rights, it would have a better life experience. The quest for a qualitative [more] positive state for living things may not be what goes on in the mind of an ideologist while defending his political position, but these visions in themselves aim for such an objective. They are not like scientific theses, presenting descriptions of how reality is; rather, they are prescriptive, stating how society should be and act in the face of the desirable attainment of a qualitatively superior reality.


It is concluded that, being a political view, when leftism preaches that "one must seek/defend/fight for social equality", it does so by proposing that this is the way to a better world. But in doing so, leftism ends up affirming the fallacy of equality, inferring a positive qualitative state (a better world) from equality. It is concluded, then, that the leftist vision is essentially connected to a rationally invalid reasoning and therefore consists of an irrational proposal. That is, once there is no way to affirm leftism without affirming the fallacy of equality, then such a political vision is rationally unacceptable.


Notes
N1: "Deductive reasoning" is one in which the conclusion will necessarily be true if the premises are true. The same does not proceed with inductive reasoning in which assumptions are provided only to increase the probability of the conclusion. In these cases, being non sequitur does not imply being structurally deficient.
N2: A useful analogy for comprehension is to understand the conclusion as a place where one wants to get separated from the present position by a cliff. In this case, an argument is like a bridge connecting both sides. If a bridge there located is broken, this does not automatically mean that there are no other bridges ahead in better conditions and safe for the crossing.
N3: Following the example of N2, if there is only one path to the other side of the cliff and this is not feasible, then one must remain in the current position until a new bridge is built.
N4: For example, Nelson Goodman seeks to solve the case of the composition fallacy by distinguishing "expansive" an "non-expansive" properties[R9]. Following this suggestion, to argue for the color of a floor without committing the fallacy of composition, one should assert such a distinction as part of the premises. 
N5: Concerning faith in Jesus for the salvation of sins, the apostle Paul manifested this understanding in 1 Corinthians 15.
N6: This justification can be manifested in a number of indirect ways, such as "because we will have a better world", or "because it is fairer", or "because we will all be happier".

References

R1: Fallacy Files. 2017. Glossary. [ONLINE] Available at: http://www.fallacyfiles.org/glossary.html#Argument. [Accessed October 25, 2017].
R2: Internet Encyclopedia of Philosophy. 2017. Fallacies. [ONLINE] Available at: http://www.iep.utm.edu/fallacy/. [Accessed October 25, 2017].
R3: Fallacy Files. 2017. What is a logical fallacy?. [ONLINE] Available at: http://www.fallacyfiles.org/introtof.html. [Accessed October 25, 2017].
R4: Lewis, Clive Staples (1971), Hooper, Walter, ed., Undeceptions: Essays on Theology and Ethics, London: Geoffrey Bles
R5: Flew, Antony (1975), Thinking About Thinking: Do I Sincerely Want to Be Right?, London: Collins Fontana
R6: Fallacy Files. 2017. The Hitler card. [ONLINE] Available at: http://www.fallacyfiles.org/adnazium.html. [Accessed October 25, 2017].
R7: Wikipedia. 2017. Adolf Hitler and vegetarianism. [ONLINE] Available at: https://en.wikipedia.org/wiki/Adolf_Hitler_and_vegetarianism. [Accessed October 25, 2017].
R8: Fallacy Files. 2017. Appeal to Nature. [ONLINE] Available at: http://www.fallacyfiles.org/adnature.html. [Accessed October 25, 2017].
R9: Fallacy Files. 2017. Composition. [ONLINE] Available at: http://www.fallacyfiles.org/composit.html. [Accessed October 25, 2017].
R10: Reasonable Faith. 2017. What Price Biblical Errancy?. [ONLINE] Available at: http://www.reasonablefaith.org/what-price-biblical-errancy. [Accessed October 25, 2017].
R11: Smith, T. Alexander; Tatalovich, Raymond (2003). Cultures at War: Moral Conflicts in Western Democracies. Toronto, Canada: Broadview Press. p. 30
R12: Bobbio, Norberto; Cameron, Allan (1997). Left and Right: The Significance of a Political Distinction. University of Chicago Press. p. 37


quarta-feira, 25 de outubro de 2017

A falácia da igualdade




Um tema recorrente na mídia e em debates públicos é o da promoção da igualdade. Esse "igualitarianismo", fortemente relacionado à ideologia "de esquerda", é constantemente usado como fundamento de estudos, ações e políticas nas mais variadas áreas tais como econômica, racial e de gênero. No centro de tais medidas jaz a crença que a diminuição de muitas das desigualdades vigentes na sociedade nos levaria a um mundo melhor.

O presente artigo visa expor uma falha lógica fatal presente no raciocínio igualitário para depois concluir com reflexões sobre os impactos dessa falha para a filosofia política. Para ouvi-lo, há uma versão em áudio lida por mim que pode ser acessada por esse link.


Que o Senhor seja com vocês,

Momergil

--------

Introdução
Nos mais distintos campos do saber humano, muitas ideias e grupos de ideias vieram a ser elaboradas. Em suas defesas, costuma-se empregar argumentos, instâncias de raciocínio compostas por afirmações[R1] onde uma, a conclusão, é pretendidamente suportada pelas demais, as premissas, por meio de uma estrutura que consiste na maneira como tais afirmações são dispostas[R2].

Argumentos nem sempre são bons: eles podem falhar em providenciar o devido suporte à crença racional em suas conclusões. Essa falha pode ser resultado de problemas na veracidade das premissas, na estrutura do raciocínio ou em ambos ao mesmo tempo[R2]. No segundo caso, tem-se um problema de natureza lógica e a tal tipo de erro costuma-se chamar "falácia lógica". Assim, um argumento é "logicamente falacioso" caso apresente uma falha em sua estrutura que o inviabiliza como meio adequado de demonstrar a veracidade da sua conclusão[R3].

Reconhecer a presença de um erro estrutural em um raciocínio ou de um novo tipo de falácia geralmente envolve o simples uso da intuição racional. Normalmente cabe ao analisador reconhecer, apenas contemplando o argumento, que ele não é logicamente válido. Por essa razão, algumas das propostas de novos tipos de falácias consistiram em simples menções a elas. Assim foi quando C. S. Lewis propôs o bulverismo[R4] e Antony Flew, a "não é um verdadeiro escocês"[R5].

Em certos casos, porém, é possível demonstrar que uma certa linha de raciocínio é falaciosa. Um exemplo de viabilidade de demonstração diz respeito às diversas configurações do chamado non sequitur, o caso em que a conclusão simplesmente não segue logicamente das premissas quando se pretende defender um raciocínio dedutivo[N1]. Neste caso, é possível demonstrar a presença de um non sequitur apresentando ao menos uma situação em que a estrutura de raciocínio proposta se faz presente sem que a conclusão esteja correta.

Por exemplo, a falácia argumentum ad Nazium (ou reductio ad Hitlerum) consiste em afirmar que algo é ruim porque Hitler ou o Nazismo o defendia[R6]. Como o método sugere, essa linha de raciocínio é demonstrada falsa ao se contemplar ao menos uma coisa boa ou ao menos não ruim que Hitler ou o Nazismo defendiam, tal como ser vegetariano ou o progresso de uma nação. Sendo verdade que ser vegetariano não é algo maldoso ou ruim e, todavia, o Führer o praticava[R7], fica demonstrado que o simples fato de Hitler ter defendido algo não implica que este seja ruim. O mesmo vale para o caso do progresso de uma nação defendido pela visão nazista.

A "apelo à natureza" fornece outro exemplo. Esta falácia consiste em afirmar que algo é bom ou correto pelo simples fato de ser [de origem] natural, ou então ruim ou errado caso não seja natural[R8]. Tal raciocínio é demonstrado logicamente inválido quando se contempla, por exemplo, que uma massa industrializada não é ruim para a saúde humana, inclusive sendo melhor para esta do que alimentar-se de plantas e animais venenosos embora estes sejam naturais.

Exemplos como os apresentados acima demonstram a validade desse método para o reconhecimento de casos non sequitur. Por consequência e segundo o que foi abordado anteriormente, uma vez que uma avaliação semelhante tenha sido realizada sobre algum argumento, a ação correta será abandoná-lo evitando, assim, uma crença com justificativa racionalmente inválida. Isso, todavia, não é o mesmo que e tampouco implica na necessidade de abandonar a crença: um argumento estruturalmente inválido não implica em sua conclusão ser falsa, mas tão somente que ele não consiste numa justificativa adequada para se crer em sua conclusão. É possível que um argumento falhe logicamente enquanto sua conclusão seja verdadeira e demonstrável por meio de outra linha de raciocínio[N2]. Em alguns casos, porém, a morte de um argumento implica na derrota, ainda que temporária, da sua conclusão. Isso ocorre tanto com as proposições que têm a sua sustentação em um único argumento[N3] quanto com aquelas que estão intrinsecamente relacionadas a ele. Neste último caso, a conclusão é racionalmente inaceitável porque não há como ser acreditada sem que se afirme a falácia.

Também é importante reconhecer que, às vezes e dependendo do contexto, uma linha de pensamento será plausível apesar de empregar uma falácia. Um exemplo típico consiste na "falácia de composição" quando empregada para determinar a cor de uma superfície. Essa falácia consiste em afirmar que um todo possui uma determinada propriedade porque [todas as] suas partes possuem aquela propriedade[R9]. Empregando o método anterior, pode-se demonstrar que tal não procede. Por exemplo, todas as partes da pintura Mona Lisa de Da Vinci são manchas disformes enquanto que a pintura, o todo, não o é. Por outro lado, é plausível concluir que a cor de uma superfície de lajotas será verde se todas as suas lajotas forem verdes. Este raciocínio parece plausível mesmo sendo um caso de falácia de composição.

Embora casos como o da coloração da superfície pareçam demonstrar uma certa "plausibilidade esporádica" de raciocínios falaciosos, isso não invalida ou mesmo minimiza a sua inviabilidade como sustentação de conclusões. Em casos como o das lajotas, ainda será necessário providenciar alguma informação adicional que justifique a relação entre as premissas e a conclusão para justificar o argumento. Esta virá a ser uma premissa adicional ao raciocínio que, por sua vez, inevitavelmente se traduzirá no surgimento de um segundo argumento mais complexo do que o original[N4].

Uma nova falácia
Quando uma linha de raciocínio é identificada e aparece com certa frequência, é comum que se lhe batize com um nome[R3] como foi o caso dos dois exemplos de falácias mencionados anteriormente. Tendo isso em consideração bem como o método recém apresentado para identificar casos de non-sequitur, proponho que se reconheça a existência de uma nova falácia plausivelmente denominável "da igualdade" ou "igualitariana".

A linha de raciocínio contemplada é aquela segundo a qual "se, em determinada situação, há igualdade, então tal situação é boa ou melhor do que seria caso houvesse desigualdade". O que se está a afirmar é a existência de alguma relação de implicação entre igualdade e estado qualitativo positivo moral, estético ou de qualquer outra natureza (como o presente em "uma boa jogada de xadrez"). 

Seguindo o método proposto, demonstra-se que tal linha de raciocínio é uma forma de non-sequitur caso haja ao menos uma situação em que a relação de implicação entre igualdade e estado qualitativo positivo não se faça presente - e casos assim são abundantes.

Para o primeiro exemplo, tem-se a questão da pobreza. Diante de uma realidade de recursos escassos, pessoas podem vir a concentrar mais ou menos destes recursos ficando mais ou menos ricas. Dependendo do nível que possuir, um indivíduo poderá ficar incapaz de possuir o mínimo para suprir suas necessidades básicas e viver uma vida materialmente agradável. Como o oposto disso é desejável, pode-se concluir que o estado financeiro de pobreza é indesejável. Em contrapartida, quanto mais abundante de bens alguém for, ao menos tudo o mais igual, melhor será para ele.

Tendo isso em vista, pode-se imaginar um grupo hipotético de cem pessoas onde cada uma será ou pobre ou rica. Em desejando a maximização do bem-estar em linha com o que foi anteriormente considerado, pode-se concluir que o pior estado em que tal grupo de pessoas poderá se encontrar é aquele no qual todos os cem indivíduos são pobres, vivendo em sofrimento. Em contrapartida, o melhor estado possível para essa sociedade é aquele em que todos são ricos, vivendo na abundância. Consequentemente um estado intermediário onde alguns já atingiram a riqueza, porém outros ainda permanecem na pobreza, será inferior ao de plena riqueza, porém melhor que o de plena pobreza.

Neste caso, há dois estados de igualdade possíveis (totalmente pobre e totalmente rico) e um de desigualdade (apenas parcialmente rico) sendo um estado igualitário ruim (todos pobres) e um estado desigualitário melhor que um igualitário (melhor alguns ricos e outros pobres do que todos pobres). Isso, todavia, se opõe ao que declara a falácia da igualdade: não só há um estado igualitário que não é bom, como há um que é inferior a um com desigualdade. Segundo o método, portanto, fica assim demonstrado que igualdade não implica em qualidade. 

Um caso similar é visível no âmbito da justiça. Em um país com leis e onde uma parcela da população sofreu agravos criminais, há a possibilidade de todos estes serem injustiçados, de todos receberem a justiça devida e de alguns serem justiçados enquanto outros não. Na medida que é desejável que um indivíduo receba a recompensa prevista em lei em face de um crime que lhe foi cometido, pode-se concluir que o pior cenário possível é aquele em que todos são injustiçados enquanto a melhor situação possível é aquela em que todos recebem o que lhes é devido. Por fim ainda há a possibilidade de alguns serem justiçados enquanto outros não. Neste caso, há duas situações igualitárias sendo uma delas não apenas ruim, mas a pior das possibilidades, e uma situação de desigualdade que, embora não o ideal, é melhor do que uma com igualdade. Tal exemplo também mostra, portanto, que o simples fato de haver igualdade não significa que algo seja bom ou melhor do que seria se houvesse desigualdade, ficando provado que a inferência em estudo é logicamente inválida.

Conclusão
Com base no uso do método proposto para a detecção de variantes de non-sequitur aplicado aos casos apresentados, conclui-se que inferir estado qualitativo positivo a partir de igualdade é logicamente inválido. O mesmo, naturalmente, procede com o raciocínio inverso, inferindo-se negatividade à partir de desigualdade.

Embora os exemplos apresentados demonstrem a falácia apresentada em concordância com o método proposto, pode ser tentador insistir em afirmar uma conexão entre igualitarianismo e estado qualitativo positivo em face de todas as melhores situações serem igualitárias (nos exemplos, todos ricos e todos justiçados). Essa relação, todavia, não passa de uma coincidência, pois o que torna tais estados desejáveis não é a sua igualdade, mas a presença abundante daquilo que os deixa bom (seja riqueza, justiça ou outra coisa). A sua característica positiva, portanto, não é mérito da igualdade.



Comentários
O reconhecimento da falácia igualitariana traz relevantes implicações para a esfera intelectual. Isso ocorre porque sua linha de raciocínio é comumente empregada em obras e teses em várias áreas como justificativa para uma grande variedade de propostas e posições. Sendo uma falácia, tais defesas são deficientes e deveriam ser rejeitadas. Também como foi visto, as teses ou posições que têm na defesa da igualdade o seu único argumento deveriam ser rejeitadas até que uma nova justificativa, válida, surja em sua defesa. Por fim, teses que são inescapavelmente conectadas com a falácia igualitariana, sendo impossível desassociá-las dela, deveriam ser rejeitadas. Um caso notório desta última implicação jaz na corrente ideológica denominada "de esquerda" ou "esquerdismo" como demonstra o raciocínio a seguir.

Ideologias, religiões, correntes filosóficas e outras formas de "pacotes de ideias" são caracterizados por defenderem uma ou mais proposições. Tais proposições são discrimináveis em "essenciais" ou "fundamentais" e "não essenciais" ou "supérfluas". As fundamentais são as necessárias para a veracidade e validade do pacote; precisa-se que todas sejam verdadeiras para que o grupo de ideias que as propõem seja racionalmente aceitável. Já as proposições supérfluas, embora possam ser comumente defendidas, são descartáveis; sua inveracidade não implica na invalidade do grupo de ideias respectivo. Por consequência, refutar ao menos uma proposição essencial implica em inviabilizar a crença e aceitação racional nos pacotes que a defendem. Já refutar até mesmo todas as proposições supérfluas não altera o status de aceitação racional de tais pacotes.

Por exemplo, o Cristianismo defende um conjunto de proposições organizadas em doutrinas. Entre essas, algumas são essenciais tais como a que afirma a existência de Deus e a que afirma a salvação da humanidade de seus pecados por meio da fé em Jesus de Nazaré. Como colunas fundamentais, a veracidade de tais ideias é necessária para a veracidade da religião: se ao menos uma dessas afirmações for falsa, então necessariamente a religião é falsa ainda que todas as demais sejam verdadeiras[N5]. O mesmo não procede com proposições respectivas a doutrinas periféricas como a da inerrância bíblica. Embora seja comum que cristãos a defendam, teólogos concordam que o Cristianismo estaria longe de ser provado falso caso tal doutrina fosse invalidada[R10].

Sendo assim, conclui-se que, se um pacote de ideias apresenta uma proposição essencial cujo único argumento usado para a sua sustentação expresse uma falácia como a igualitariana, então esse pacote é racionalmente inaceitável ao menos até que um novo e bom argumento seja apresentado. Também se conclui que, se uma proposição essencial inescapavelmente afirma uma falácia, então o pacote de ideias que a defende é racionalmente inaceitável. Um caso em que isso ocorre diz respeito ao esquerdismo.


Embora possa ser definida de mais de uma maneira, a ideologia esquerdista é intrinsecamente conectada à ideia da busca da igualdade social[R11][R12] em termos econômicos, civis e políticos. A luta pela igualdade é tema recorrente em trabalhos esquerdistas e a literatura sobre os mesmos constantemente os une apresentando um em termos do outro. Sendo assim, a busca pela igualdade social, representável pela proposição "deve-se buscar/defender/lutar pela igualdade social", é constituinte essencial da esquerda.


Quanto a tal proposição, pode-se indagar qual a razão da sua veracidade, o porquê que deveríamos buscar/defender/lutar pela igualdade social. E uma resposta provável de ser dada por um defensor envolveria a obtenção de um estado qualitativo positivo, i.e., porque de alguma forma "isso é/vai ser bom"[N6]. Uma vez que essa for a única razão de um indivíduo para ter essa posição, sendo ela a falácia da igualdade manifesta, então tal deveria parar de defendê-la. Em outras palavras, um indivíduo só deve ser esquerdista, buscando a igualdade social, se tiver algum argumento racionalmente válido para sê-lo que não apele à obtenção de um estado qualitativo positivo por meio da igualdade. Se esse for o seu único argumento, defender o esquerdismo será para ele uma ação irracional.


Já independente das razões que um indivíduo tenha para defender uma posição política, tais posições são sempre associadas à busca por um mundo melhor por meio das ideias por elas propostas. Ou seja, a busca por um mundo melhor é essencial a uma visão política e seja o que ela propor, naturalmente o fará com esse objetivo. Por exemplo, a visão direitista propõe conservadorismo moral e cultural, além da aceitação ou mesmo defesa de certas desigualdades, como meio para aquele fim. O liberalismo, por sua vez, propõe a defesa dos direitos humanos fundamentais de vida, propriedade e liberdade sob e entendimento que, se a humanidade vivesse segundo tais direitos, ela teria uma experiência de vida melhor. A busca por um estado qualitativo [mais] positivo para os seres vivos pode não ser o que se passa na mente de um ideólogo ao defender o seu posicionamento político, porém essas visões por si próprias visam tal objetivo. Elas não são como teses científicas, apresentando descrições de como a realidade é; antes, elas são prescritivas, afirmando como a sociedade deveria ser e agir em face da desejável obtenção de uma realidade qualitativamente superior.


Conclui-se que, sendo uma visão política, quando o esquerdismo prega que "deve-se buscar/defender/lutar pela igualdade social", ele o faz propondo ser esse o caminho para um mundo melhor. Mas em fazendo assim, o esquerdismo acaba por afirmar a falácia da igualdade, inferindo um estado qualitativo positivo (um mundo melhor) a partir da igualdade. Conclui-se, portanto, que a visão esquerdista está essencialmente conectada a um raciocínio racionalmente inválido e, portanto, consiste numa proposta irracional. Ou seja, em não havendo como afirmar o esquerdismo sem afirmar a falácia da igualdade, então tal visão política é racionalmente inaceitável.


Notas
N1: "Raciocínio dedutivo" é aquele em que necessariamente a conclusão será verdadeira se as premissas forem verdadeiras. O mesmo não procede com raciocínios indutivos em que as premissas são fornecidas visando apenas aumentar a probabilidade da conclusão. Nestes casos, ser non sequitur não implica em ser estruturalmente deficiente. 
N2: Uma analogia útil à compreensão é entender a conclusão como um lugar aonde se pretende chegar separado da posição atual por um penhasco. Neste caso, um argumento equivale a uma ponte ligando ambos os lados. Se uma ponte ali presente estiver arrebentada, isso não significa automaticamente que não haja outras pontes logo adiante em melhores condições e seguras para a travessia.
N3: Seguindo o exemplo da N2, se só houver um caminho ao outro lado do penhasco e este estiver inviável, então será obrigatório permanecer na posição atual até que uma nova ponte seja construída.
N4: Por exemplo, Nelson Goodman procura resolver o caso da falácia de composição distinguindo propriedades "expansivas" e "não expansivas"[R9]. Seguindo essa sugestão, para argumentar em prol da coloração de um piso sem cometer a falácia de composição, se deveria afirmar tal distinção como parte das premissas. 
N5: Concernente à fé em Jesus para a salvação dos pecados, o apóstolo Paulo manifestou esse entendimento em 1 Coríntios 15.
N6: Essa justificativa pode ser manifesta de várias maneiras indiretas, como em "porque assim teremos um mundo melhor", ou "porque assim é mais justo" ou ainda "porque assim seremos todos mais felizes".

Referências

R1: Fallacy Files. 2017. Glossary. [ONLINE] Disponível em: http://www.fallacyfiles.org/glossary.html#Argument. [Acessado em 25 de outubro de 2017].
R2: Internet Encyclopedia of Philosophy. 2017. Fallacies. [ONLINE] Disponível em: http://www.iep.utm.edu/fallacy/. [Acessado em 25 de outubro de 2017].
R3: Fallacy Files. 2017. What is a logical fallacy?. [ONLINE] Disponível em: http://www.fallacyfiles.org/introtof.html. [Acessado em 25 de outubro de 2017].
R4: Lewis, Clive Staples (1971), Hooper, Walter, ed., Undeceptions: Essays on Theology and Ethics, London: Geoffrey Bles
R5: Flew, Antony (1975), Thinking About Thinking: Do I Sincerely Want to Be Right?, London: Collins Fontana
R6: Fallacy Files. 2017. The Hitler card. [ONLINE] Disponível em: http://www.fallacyfiles.org/adnazium.html. [Acessado em 25 de outubro de 2017].
R7: Wikipedia. 2017. Adolf Hitler and vegetarianism. [ONLINE] Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Adolf_Hitler_and_vegetarianism. [Acessado em 25 de outubro de 2017].
R8: Fallacy Files. 2017. Appeal to Nature. [ONLINE] Disponível em: http://www.fallacyfiles.org/adnature.html. [Acessado em 25 de outubro de 2017].
R9: Fallacy Files. 2017. Composition. [ONLINE] Disponível em: http://www.fallacyfiles.org/composit.html. [Acessado em 25 de outubro de 2017].
R10: Reasonable Faith. 2017. What Price Biblical Errancy?. [ONLINE] Disponível em: http://www.reasonablefaith.org/what-price-biblical-errancy. [Acessado em 25 de outubro de 2017].
R11: Smith, T. Alexander; Tatalovich, Raymond (2003). Cultures at War: Moral Conflicts in Western Democracies. Toronto, Canada: Broadview Press. p. 30
R12: Bobbio, Norberto; Cameron, Allan (1997). Left and Right: The Significance of a Political Distinction. University of Chicago Press. p. 37